Sussurros

O desespero bateu-lhe a porta, quando menos esperava.

Não estava pronto, há tanto não o via! Precisava organizar os pensamentos, precisava proteger-se, separar o real do imaginário. Mas não havia tempo. Sentou-se, derrotado, entregando-se ao inevitável. Observou as paredes do seu quarto encolhendo, lentamente, sufocando-o. Imaginava coisas, tantas coisas. A cada minuto que se passava suas próprias ideias tornavam o mesmo problema em um problema ainda pior, criando conexões tão obscuras e sensíveis que somente o seu estado patético de pensamento poderia manter.

Via em sua mente a sua obra, tudo o que havia construído, assim como um engenheiro vê sua construção. O que estava errado? Onde, por Deus, falhara? Analisava minunciosamente detalhes e memórias, mexia e remexia, sem perceber o que, de fato, fazia. Dito que andava em companhia do desespero, percebeu, atônito, que, enquanto analisava suas memórias, o maldito desespero pintava de negro uma a uma. E em todas as coisas bonitas, achava algo de incorreto, um quê de malícia. Arregalou os olhos, pôs-se a chorar. “Ora, pois, homens seguros de si não choram”, falou-lhe o desespero. “E é disso que ela precisa: de um homem. Percebes, então, que ela não precisa de ti?”.

Levantou-se e andou. Conheceu cantos de sua casa que nunca antes havia visto, de tanto que andou. Precisava dela. Estranho pensamento, há tanto não precisava de ninguém. Foi outra coisa que tomou-o de repente, e havia igualmente deixado acontecer, feliz e satisfeito com as possibilidades. Mas e o que é o amor, se não proteger-se contra o mundo e expor os pontos fracos para uma só pessoa? Ora, se o sofrimento é fato indiscutível, que seria mais seguro que entregar a possibilidade de senti-lo nas mãos de uma só pessoa, ao invés de deixar ao relento, para qualquer um que queira dele aproveitar-se? A lógica era infalível, mas a realidade tem seu jeito de mostrar que é ela quem manda na lógica, e não o contrário. “Talvez explique-se”, pensou, “pela lógica da corrupção do poder? O poder tem esse… bom, poder de corromper as pessoas. Será?”. Não sabia. E não sabia se poderia confiar nas coisas que pensara nos últimos minutos. O desespero não parava de falar-lhe nos ouvidos, não sabia mais quais pensamentos eram seus e quais não eram.

Cansou-se de pensar. Queria o conforto, queria a solução, alguma saída. Precisava dela. Mas ela não estava lá. Ele estava sozinho. Teria que enfrentar isso sozinho. Mas não enfrentou. Recostou-se na cama e deixou o desespero poluir seus pensamentos, um a um, e repetia para si mesmo que aquilo não era real, não era real. Repetiu tantas vezes que nem ele mesmo acreditava mais ser real…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: