Oh, Alice…

O Verdadeiro Sorriso

“And love bit you in the throat while you were staring at the sea.”
(The Blood Brothers – Camouflage, Camouflage)

De quando em quando, no meio de alguma conversa, surge a afirmação de que “morar sozinho é solitário”. Hoje eu resolvi escrever um pouco sobre isso, por que, de fato, é uma coisa a ser analisada. Perceba: analisada. Eu, de maneira nenhuma, concordo com essa crença; mas não duvido que ela seja verdade para algumas pessoas. Mas então, como saber se eu irei me sentir solitário se for morar sozinho?

A minha resposta? Eu não faço a menor idéia. Mas eu creio que cada um saberia se iria sentir-se solitário (veja bem, você, ao morar sozinho, por definição, está sozinho; mas não solitário) ao morar sozinho. Parece ser uma coisa bem simples: você se sente solitário? Então, provavelmente, não irá mudar. Um indivíduo precisa conseguir viver bem consigo mesmo antes de pôr os pés fora do casulo e encarar a vida do outro lado.

Meus poucos momentos em casa são sempre ocupados, de um jeito ou de outro. Cozinhar, limpar a casa, comer, assistir algum filmes e séries, exercícios físicos, conversar na Internet, ler um livro, jogar World of Warcraft; isso ocupa as minhas noites. Se você não gosta de fazer essas coisas, então eu recomendo que arranje outras coisas para fazer. Realmente me parece absurdo decidir morar sozinho quando se acredita que será enfadonho e tedioso.

But, Alice, where’s your tongue?

É difícil. Não digo sobre “sentir-se bem sozinho”, isso é fácil; o difícil é convencer algumas pessoas disso. Claro que você não precisa convencer ninguém disso, mas, por vezes, é muito irritante. São várias as fontes da suspeita de seu tédio e da ojeriza ao seu estilo-de-vida, mas quase sempre vem daquelas pessoas que não conseguem viver sem um “amor”. Conhece? São várias, várias facetas: aquelas que acabam um namoro hoje e semana que vem já estão “enroladas”; aqueles que se apaixonam e acha que todo o planeta gostaria de estar no lugar deles; aquelas que vivem em função de encontrar um marido (mais sobre “A Sociedade Secreta das Housewives Wannabes*” em breve, não perca!); enfim, são vários os tipos, mas o que todas elas têm em comum é a crença de que é impossível você curtir a sua existência na Terra sem fazer parte de um casal. Você é um triste: deprimido, deprimindo e deprimente! Fingido, abandonado, que sorri na frente dos outros mas, na verdade, chora sozinho em casa todas as noites por não ter um alguém pra dividir os seus dias!

Ela voa com suas próprias asas!

And, Alice, where’s your hair?

Não, cara! Não! Resista à tentação de ofender abertamente estas pessoas, como já fiz eu por vezes. Pra começo de conversa, nem sempre elas estão erradas. Segundo, você não sabe o favor que está fazendo pra elas ao não reagir. É um jogo de paradoxos: o que atuar no assunto com mais afinco será o mais atingido por ele. “Ele” sendo o paradoxo. Bem resumidamente pra ninguém me chamar [muito] de maluco: se você entrar na defensiva e reagir, fica parecendo que você realmente tem algo a esconder, e age abertamente como a coisa que você nega ser; caso você não reaja, acredite quando digo que, em breve, você verá a pessoa que te chamou de triste por não estar em uma relação ficar triste por causa de uma relação. Prós e contras, certo? Os seus prós são os contras deles; e vice-versa!

Alice, where’s your teeth?

E não me venha falar que não se importa com o que “os outros” vão dizer, por favor. Você provavelmente vai. Eu já devo ter comentado sobre isso em outros posts, e não vou me repetir, mas grande parte das pessoas que falam isso não querem dizer isso. Mas dizem, só pra causar uma impressão de independência sobre as próprias pessoas cujas opiniões se afirma não se importar. Mas, sei lá, eu não conheço o mundo todo, não é? Vai que realmente existe gente que não sem importa com o que ninguém diz. Eu lembro daquele russo que descobriu um enigma de matemática e colecionava baratas…

Oh, Alice, where’s your lips?

Seja feliz, sinta-se feliz. Antes de sair de casa, analise como você gasta o seu tempo. Recebe muitos amigos? Perceba que você precisará preparar um ambiente pra recebê-los. Sai muito? Ah, meu velho, joga um colchão no chão e um copo d’água pra curar a ressaca, e você tá pronto! Nunca está sozinho em casa? Sei lá, considere morar com um ou mais amigos! São diferentes cenários, diferentes idéias; é só uma questão de analisar a própria vida e tomar uma decisão =;)

P.S.: Ah, e dinheiro, amigo. Não esqueça do dinheiro.

* And, Alice, where’s your man? ‘Housewives Wannabes’ vêm do inglês e, em tradução livre, seria ‘Pretendentes a esposas’, muito embora quem domine o idioma inglês provavelmente concorde que o termo em inglês passe uma idéia muito mais forte. Ou talvez só pra mim; sempre me vem à cabeça a imagem das mulheres do filme “Stepford Wives”;

Anúncios